PENSE COMIGO NESTAS CONSIDERAÇÕES ABAIXO

Há anos insistimos para um novo olhar à mediunidade praticada no ambiente de terreiro. Refutamos a generalização posta para o sentido mediúnico na obra “kardequiana” não sem considerar de extrema relevância como objeto primário de estudo sobre o tema e de fundamental importância ao público que se destina.

Umbandista não é Espírita, Umbandista praticante não é Ramatiano, Umbandista é Umbandista.

Estas considerações podem parecer duras, mas se você pôr-se a reflexão sensata começará a descortinar um novo entendimento.

Ramatís por sua vez, junto com Hercílio Maes, ampliou o olhar sobre a mediunidade em seu clássico Mediunismo – Ed. do Conhecimento e, no entanto não esgota o assunto como também inevitavelmente concentra suas reflexões para o novo movimento que se estabelecia o Ramatiano.

Desde então o Umbandista para compreender sua mediunidade precisava beber de outras fontes, de outros focos sobre o que se passava, o mesmo ocorreu com nossos antecessores onde muitos para compreender a Umbanda foram buscar resposta no Candomblé, na Nação, no Espiritismo etc. se esquecendo de perguntar a quem é de direito, a própria Umbanda.

Quero reiterar a peculiaridade que é o trabalho mediúnico de Umbanda, os desdobramentos que se desenvolvem numa Gira. Tudo o que envolve o trabalho de Umbanda, defumação, ponto riscado, curimba, vela, ervas, líquidos etc. Isso não é crendice, não é opção, tem fundamento, tem sentido, tem necessidade é específico e peculiar. Toda este complexo uso de elementos e ritos num trabalho de Umbanda gira em torno da mediunidade, esta, portanto que é própria deste ambiente.

Não há acaso, ninguém se estabelece convicto numa vibração religiosa, isso é ancestral, é um reencontro, um chamado e uma via particular da sua trajetória evolutiva. Por isso tantas religiões, mesmo mediúnicas e tantos fiéis e ativos religiosos em todas elas.

Estabelecer-se numa vivência religiosa e mediúnica não acontece por convencimento discursivo, não é meramente uma relação intelectual, negativo, trata-se de uma relação profundamente emocional, de alma, que transcende o intelecto e a capacidade de discursar sobre efetivamente porque ali você se sente em contato com Deus. É místico e é poderoso. No entanto uma vez arrebatado é que começa a verificação racional, o entendimento dos processos e crença, naturalmente.

Portanto a mediunidade para aquele que nasce inclinado para a seara espírita (mesa branca) é vibratóriamente diferente daquele que tem inclinação para a Umbanda e assim em todos os casos.

Estudar a Mediunidade na Umbanda é, portanto a porta de entrada para uma compreensão específica, particular daquele que vivencia uma realidade única em seu corpo, no transe e no rito. Convido a você, para neste ano estudar a fundo a sua mediunidade na Umbanda e oportunidade melhor não há tão cedo, porque este ano estaremos na regência de Oxóssi – o Sábio – o Conhecimento; poderemos nos aprofundar em nossas sensitividades e deixar florir a mais alta elevação espiritual. Cabe a cada um, cabe a nós, e este ano, a Vereda da Luz se revestirá de mediunidades e espero que você possa se aprofundar na sua, junto conosco.

FLÁVIO FERREIRA DIRETOR DE LITURGIA

%d blogueiros gostam disto: